Cruzamentos de raças caprinas de aptidões diferentes: produção de carne em sistemas de produção de caprinos leiteiros.

Com o objetivo de identificar os melhores genótipos e práticas de manejo, através de aplicação e geração de novas tecnologias visando melhorias na produção e qualidade do leite de cabras, em unidades familiares no Cariri paraibano, foi realizada uma pesquisa financiada pelo CNPq, nos cariris velhos (ocidental e oriental) para determinar o perfil dos criadores de caprinos leiteiros daquela região.

Foram entrevistados 540 criadores, em 19 municípios do Cariri paraibano, pertencentes ao grupo de criadores de base familiar, fornecedores de leite de cabra para o Programa Leite da Paraíba. Alguns dados preliminares dessa pesquisa são apresentados neste artigo. Dentre as raças criadas na região apresentam-se em maior destaque a Saanen e a Parda Alpina. Considerando que estas raças são exigentes quanto à alimentação, ambiente e a qualidade dos cabritos para produção de carne fica a desejar, se faz necessário encontrar alternativas para aumentar a rentabilidade dos sistemas de criação de caprinos leiteiros no semiárido.

Uma alternativa para aumentar a renda dos produtores dessa região seria a utilização de cruzamentos de parte das matrizes leiteiras com reprodutores de raças especializadas na produção de carne como exemplo a raça Boer. Dessa forma a produção de leite poderá ser mantida ao mesmo tempo associada à produção de cabritos para corte de alta qualidade. Pois, os animais mestiços F1, entre as raças Saanen e Boer, com a introdução do Boer para utilização de reprodutores machos dessa raça, é justificado pela melhoraria da condição corpórea e de ganho de peso dos cabritos oriundos de um rebanho caprino leiteiro, desta forma, se constituindo como mais uma fonte de renda para o produtor de leite. 

Com o objetivo estudar os efeitos das condições climáticas do semiárido sobre o comportamento fisiológico de caprinos mestiços (F1) das raças Saanen e Boer e suas inter relações entre os sexos e o turno em sistema intensivo de criação (AZEVEDO, et al., 2011) concluíram que os caprinos resultantes de cruzamentos das raças Boer (paterna) e Saanen (materna) apresentam uma boa resistência ao calor, o que permite sua indicação para produção de carne no semiárido em sistema de confinamento, visando incrementar a renda dos produtores nesta região. 

Outras pesquisas no sentido de averiguar o grau de adaptação dessas raças e dos produtos (grupos genéticos) resultantes de cruzamentos, estão em desenvolvimento no Núcleo de Pesquisas Bioclimatológicas do Semiárido (NUBS) no CSTR/UFCG, Patos/PB. Nesta linha de pesquisa, foi publicado no 5º Simpósio Internacional Sobre Caprinos e Ovinos de Corte, realizado no período de 24 a 28 de outubro de 2011, em João Pessoa PB, cujo resumo expandido: “Utilização da Termografia de Infravermelho na avaliação das respostas fisiológicas e gradientes térmicos de cabras Saanen e mestiças ¼ Saanen + ¾ Bôer no semiárido paraibano”, o qual encontra-se na íntegra. 

Resumo: Objetivou-se com este trabalho avaliar as respostas fisiológicas e os gradientes térmicos de cabras Saanen e mestiças ¼ Saanen + ¾ Bôer criadas no semiárido, com auxílio da termografia de infravermelho. Foram utilizadas 18 cabras, sendo 9 puras Saanen e 9 mestiças, distribuídas em um delineamento inteiramente causalizado em fatorial 2×2 (duas raças e dois turnos), com 18 repetições. A análise de variância revelou efeito de turno (P<0,05) para a temperatura retal, temperatura superficial e para os gradientes térmicos sendo observadas no turno da tarde as maiores médias para temperatura retal e para temperatura superficial e no turno da manhã, para os gradientes. Não foi observado efeito de raça para nenhum dos parâmetros estudados, exceto para a frequência respiratória. A raça Saanen se mostrou menos tolerante às condições climáticas do semiárido do que os mestiços ¾ Saanen + ¼ Bôer, refletindo a necessidade de mais pesquisas com relação ao manejo e instalações para esses animais.
Introdução
A produção caprina é influenciada pelos sistemas de produção e fatores climáticos, que podem provocar alterações fisiológicas e interferir na produtividade animal (Silva et al., 2005). O estresse térmico é um dos principais fatores limitantes da produção animal, de forma que para se obter o melhor desempenho de um determinado sistema de produção, é necessário que as atividades desse sistema sejam desenvolvidas dentro de uma zona de termoneutralidade para os animais.
 
Os estudos bioclimatológicos servem com ferramenta fundamental para contribuir com a defesa e seleção de animais mais adaptados às condições climáticas do semiárido. Assim o uso de novas tecnologias como a Termografia de Infravermelho surgem como alternativas para precisar o impacto dos fatores ambientais na produção animal, dando suporte à decisão e promovendo a saúde e o bem estar animal. Portanto objetivou-se com este trabalho avaliar com auxílio da termografia, as respostas fisiológicas e os gradientes térmicos de cabras Saanen e seus mestiços, criadas em sistema de semi-confinamento no semiárido paraibano.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s