conheçam a forca do Canchim.

Pecuarista Aposta no Cruzamento Industrial com Touros Canchim


Imprimir

Obter um gado comercial de qualidade superior para atender ao mercado cada vez mais exigente e ao mesmo tempo explorar ao máximo a potencialidade de sua produção. Estes objetivos motivaram Fernando Lara, empresário do setor de publicidade, a escolher touros Canchim para o cruzamento industrial que faz em sua fazenda localizada em Itu, SP. “O Canchim é um gado que responde às exigências e gera excelentes resultados. É o tipo de produto que o frigorífico deseja. Por isso, na minha região, o produto de cruzamento com Canchim se tornou referência”, garante Lara.

O criador conta que o rápido desenvolvimento e o ganho de peso – principais qualidades dos bezerros – podem ser percebidos logo após o nascimento. Os animais nascem com 35 a 40 kg e, na desmama, aos oito meses, tanto os machos como as fêmeas atingem em média 210 kg. “Essa precocidade certamente alavanca os negócios”, diz Lara. Para antecipar o desenvolvimento ruminal da cria e torná-la menos dependente do leite da mãe – o que permite a rápida recomposição corporal da vaca para uma nova prenhez – o criador é adepto ao uso do creep feeding.

Lara utiliza 15 touros Canchim puros, comprados dos mais renomados criadores, como Mário Xavier, da Fazenda Santa Carolina, em Ibituva, PR; e Deniz Ferreira Ribeiro, da Fazenda Água Marinha, em Águas de Santa Bárbara, SP. Há anos, ele trocou a inseminação artificial pela monta natural a campo. Como cada um de seus reprodutores cobre, em média, 40 a 50 vacas por estação de monta – uma taxa de prenhez de 90% — são produzidos todo ano entre 450 e 500 bezerros.

O Canchim é conhecido pelo pecuarista há mais de 20 anos. Seu pai, um produtor de gado leiteiro, conhecia o trabalho de Antonio Teixeira Vianna, que em 1935 começou os trabalhos experimentais para a formação da raça na Fazenda Canchim, em São Carlos, hoje sede da Embrapa Pecuária Sudeste. Ele comprou, então, alguns touros Canchim para colocar na vacada. Entusiasmado com os resultados, passou a criar Canchim puro, utilizando touros top da raça na inseminação, mas sem perder o foco na produção do meio sangue a partir do cruzamento entre Canchim e Nelore, cuja heterose potencializa o ganho de peso.

As observações feitas pelo pecuarista são respaldadas por pesquisas científicas. De acordo com a Embrapa, por possuir em sua constituição genética 5/8 de Charolês, o Canchim transmite aos seus filhos as características desejáveis dessa raça, como tamanho, velocidade de crescimento, qualidade da carcaça e cor favorável da pelagem. Já dos 3/8 herdados do Zebu, transmite a grande versatilidade em termos adaptação a vários tipos de ambiente.

Segundo Pedro Franklin Barbosa, pesquisador aposentado pela Embrapa Pecuária Sudeste, o uso de touros da raça Canchim em cruzamento com fêmeas de composição genética diferente permite o aproveitamento de níveis consideráveis de heterose (vigor híbrido) e de complementaridade. Outra razão é a garantia da oferta de reprodutores com avaliação genética para várias características, já que o gado conta com um programa de melhoramento genético realizado pela Associação Brasileira de Criadores de Canchim em parceria com a Embrapa-Geneplus, de Campo Grande.

Da década de 1970 para cá, estudos e observações em vários criatórios mostram que bezerros filhos de touros Canchim com vacas Zebu (principalmente Nelore) pesavam de 15 a 30 kg a mais aos dois anos de idade do que os zebuínos puros. Considerando o mesmo rendimento de carcaça (50%) para ambos os grupos genéticos, isso representa vantagem dos cruzados Canchim x Zebu de 0,5 a 1,0 @ por animal.

Obter um gado comercial de qualidade superior para atender ao mercado cada vez mais exigente e ao mesmo tempo explorar ao máximo a potencialidade de sua produção. Estes objetivos motivaram Fernando Lara, empresário do setor de publicidade, a escolher touros Canchim para o cruzamento industrial que faz em sua fazenda localizada em Itu, SP. “O Canchim é um gado que responde às exigências e gera excelentes resultados. É o tipo de produto que o frigorífico deseja. Por isso, na minha região, o produto de cruzamento com Canchim se tornou referência”, garante Lara.

O criador conta que o rápido desenvolvimento e o ganho de peso – principais qualidades dos bezerros – podem ser percebidos logo após o nascimento. Os animais nascem com 35 a 40 kg e, na desmama, aos oito meses, tanto os machos como as fêmeas atingem em média 210 kg. “Essa precocidade certamente alavanca os negócios”, diz Lara. Para antecipar o desenvolvimento ruminal da cria e torná-la menos dependente do leite da mãe – o que permite a rápida recomposição corporal da vaca para uma nova prenhez – o criador é adepto ao uso do creep feeding.

Lara utiliza 15 touros Canchim puros, comprados dos mais renomados criadores, como Mário Xavier, da Fazenda Santa Carolina, em Ibituva, PR; e Deniz Ferreira Ribeiro, da Fazenda Água Marinha, em Águas de Santa Bárbara, SP. Há anos, ele trocou a inseminação artificial pela monta natural a campo. Como cada um de seus reprodutores cobre, em média, 40 a 50 vacas por estação de monta – uma taxa de prenhez de 90% — são produzidos todo ano entre 450 e 500 bezerros.

O Canchim é conhecido pelo pecuarista há mais de 20 anos. Seu pai, um produtor de gado leiteiro, conhecia o trabalho de Antonio Teixeira Vianna, que em 1935 começou os trabalhos experimentais para a formação da raça na Fazenda Canchim, em São Carlos, hoje sede da Embrapa Pecuária Sudeste. Ele comprou, então, alguns touros Canchim para colocar na vacada. Entusiasmado com os resultados, passou a criar Canchim puro, utilizando touros top da raça na inseminação, mas sem perder o foco na produção do meio sangue a partir do cruzamento entre Canchim e Nelore, cuja heterose potencializa o ganho de peso.

As observações feitas pelo pecuarista são respaldadas por pesquisas científicas. De acordo com a Embrapa, por possuir em sua constituição genética 5/8 de Charolês, o Canchim transmite aos seus filhos as características desejáveis dessa raça, como tamanho, velocidade de crescimento, qualidade da carcaça e cor favorável da pelagem. Já dos 3/8 herdados do Zebu, transmite a grande versatilidade em termos adaptação a vários tipos de ambiente.

Segundo Pedro Franklin Barbosa, pesquisador aposentado pela Embrapa Pecuária Sudeste, o uso de touros da raça Canchim em cruzamento com fêmeas de composição genética diferente permite o aproveitamento de níveis consideráveis de heterose (vigor híbrido) e de complementaridade. Outra razão é a garantia da oferta de reprodutores com avaliação genética para várias características, já que o gado conta com um programa de melhoramento genético realizado pela Associação Brasileira de Criadores de Canchim em parceria com a Embrapa-Geneplus, de Campo Grande.

Da década de 1970 para cá, estudos e observações em vários criatórios mostram que bezerros filhos de touros Canchim com vacas Zebu (principalmente Nelore) pesavam de 15 a 30 kg a mais aos dois anos de idade do que os zebuínos puros. Considerando o mesmo rendimento de carcaça (50%) para ambos os grupos genéticos, isso representa vantagem dos cruzados Canchim x Zebu de 0,5 a 1,0 @ por animal.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s