Papilomatose ( Verruga ) Bovina, Uma doença autolimitante .

Conhecida também como Figueira, Verruga, Verrucose, Fibropapilomatose e Epitelioma contagioso, a papilomatose é uma doença cosmopolita que está intimamente associada à imunidade celular do rebanho acometido. Esta doença infecto contagiosa apresenta uma elevada prevalência nos rebanhos das mais variadas regiões do nosso país.

A papilomatose é causada por vírus da família Papovaviridae, gênero Papilomavírus. A literatura descreve 6 diferentes tipos do vírus que podem acometer os bovinos.

Tabela 1– Vírus da Papilomatose bovina

Os vírus são ainda divididos em dois grupos antigenicamente diferentes:

* grupo A (tipos 1, 2 e 5) – originam fibropapilomas
* grupo B (tipos 3, 4 e 6) – originam papilomas epiteliais

Caracteriza-se por lesões tumorais epiteliais benignas que desvalorizam os animais no momento da venda devido à depreciação do couro, predisposição à ocorrência de feridas e miíases, favorecimento de uma ordenha incompleta, acúmulo de sujidades na região do úbere e teto, e ainda, devido ao seu caráter infeccioso, representa um risco de transmissão do vírus aos demais animais do rebanho.

As verrugas variam de tamanho e número. A coloração varia do negro ao branco acinzentado. O pescoço, cabeça, periferia dos olhos e tetos são, geralmente, as áreas mais afetadas. Podem ainda, localizar-se no esôfago (causando timpanismo crônico), boca, língua, região genital e bexiga (causando hematúria crônica). Infecções secundárias podem advir sob a forma de micoses, miíases e infecções bacterianas.

Os animais jovens são mais susceptíveis, todavia todas as faixas etárias podem ser atingidas. Dentre as raças, a Holandesa (Preto e Branco) apresenta uma maior predisposição às Verrucoses.

Levantamentos epidemiológicos citam que, além do estado imune da população, outros fatores influenciam a ocorrência da Papilomatose, dentre eles o sistema de criação confinado. Muitas vezes os bezerros são contaminados pelo método utilizado para identificação dos animais, tais como tatuagem e marcadores de orelha. A transmissão da doença pode ser feita de animal – animal (direta) ou indireta, através das moscas, carrapatos, cercas, cochos de alimentação, cochos d’água, cordas, equipamentos utilizados para marcação (identificação), equipamentos de ordenha, … Os animais acometidos são o próprio reservatório da doença. Entretanto, para que ocorra a transmissão, é necessário que haja alguma lesão na pele do animal a ser contaminado, seja ela causada por um pequeno trauma, por ectoparasitas, ou até mesmo, lesões decorrentes dos raios ultravioletas do sol. O período de incubação varia de dois a seis meses, dependendo do tipo de papovavirus envolvido, da dose viral, da rota de contaminação e, logicamente, da imunidade do hospedeiro.

O aspecto da lesão já leva ao diagnóstico da doença. Nos casos onde é necessário a identificação do agente etiológico, deve-se fazer uma imunofluorescência direta.

A questão do tratamento da lesão é muito polêmica, justamente por se tratar de uma doença autolimitante. Desta forma, em alguns animais, certos tratamentos apresentam ótimos resultados, enquanto que em outros, não tem efeito.

Os métodos que alcançam os melhores resultados são a retirada cirúrgica e cauterização das lesões com nitrato de prata; vacina autógena (caráter curativo); auto-hemoterapia; e um produto desenvolvido pela Embrapa, Coronel Pacheco – MG. Além dessas alternativas citadas, poderíamos fazer uma enorme lista de produtos utilizados a campo na tentativa de resolver este problema (que algumas vezes funcionam sem ao menos terem relação com a doença).

Na realidade, a papilomatose é um problema que causa prejuízos econômicos e transtornos de manejo nos rebanhos acometidos. Assim sendo, a melhor alternativa é enfatizar os métodos de controle, dentre eles:

* não adquirir animais com papilomas
* enfatizar o controle de moscas
* manejar por último os animais afetados
* realizar a desinfecção de agulhas, seringas e materiais utilizados para retirada do teto extra em bezerras
* uma opção em rebanhos com alta incidência de papilomas no teto de novilhas é a utilização de pomada repelente na região do futuro úbere.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s