Saiba 6 formas de fazer o controle de carrapatos em bovinos

Os carrapatos desenvolvem resistência aos quimioterápicos, o que os torna motivo de preocupação constante nas fazendas. Transmitem doenças, prejudicam o ganho de peso e geram custos. Diferentes tipos de controle são adotados com o objetivo de reduzir ou exterminar esses parasitas.

Ciclo de vida dos carrapatos

O total desenvolvimento dos carrapatos acontece através de duas metamorfoses: o ciclo de vida parasitário e o ciclo de vida livre:

De 1 a 3: é o ciclo parasitário, que dura aproximadamente 22 dias. Nesse período, o carrapato passa de larva a ninfa e de ninfa a fêmea parcialmente ingurgitada.

De 4 a 6: é o ciclo livre, quando a fêmea ingurgitada vai para o solo. Este ciclo dura em média 50 dias. A fêmea procura lugares úmidos e protegidos (umidade de 80% e temperatura entre 26 e 28°C) para fazer a postagem de cerca de 3.000 ovos. Depois de virarem larvas, sobem para a superfície das plantas e reiniciam o ciclo nos animais.

Possibilidades de controle dos carrapatos

1- Controle alopático

  1. Realizado por meio de feromônios associados a substâncias tóxicas;
  1. Medicamentos Sistêmicos: aplicados por meio de injeções. Metabolizado pelo organismo, a medicação é distribuída por todo o corpo do animal, levando os carrapatos a óbito.
  1. Medicamentos de Contato: pulverização ou imersão. O produto entra no animal pelos orifícios naturais causando intoxicação e óbito dos carrapatos.

2- Controle estratégico

Segundo Morais (2014), produtores aplicam produtos alopáticos para interferir no ciclo de vida dos carrapatos, consequentemente, diminuirá o número de parasitas no ambiente e no animal. Geralmente é feito em épocas do ano em que a temperatura e a umidade são desfavoráveis ao crescimento do carrapato. Na região sudeste, isso é feito no período de inverno.

3- Controle biológico

São decisões para tentar reduzir as chances de atuação dos carrapatos investindo em um ambiente menos atraente a esses parasitas. Neste caso, a propriedade deve tomar medidas no início das atividades:

  1. Optar por raças de bovinos mais resistentes ao ectoparasita, como por exemplo os zebuínos;
  1. Desenvolver pastagens que dificultam a ovoposição;
  1. Cultivar predadores e parasitas do ácaro, como os fungos e as bactérias.

4- Controle imunológico

É o controle através da vacinação. Segundo Fuente; Kocan (2006), as vacinas permitem a inclusão de múltiplos antígenos que têm como alvo o combate ao carrapato e também a prevenção da transmissão de patógenos.

5- Fitoterapia

A fitoterapia é a utilização de plantas medicinais ou extratos vegetais que vêm encontrando grande eficiência no combate aos carrapatos. É um método que provém amenizar a contaminação ambiental e a toxidade dos animais e humanos, mas que ao longo do uso, encontram resistência dos parasitas.

Estudos apontam que a Citronela e o Pinheiro Brasileiro têm alta eficiência no combate aos carrapatos em relação a outros fitoterápicos. 6- Homeopatia

Segundo Arenales (2010), a homeopatia foi desenvolvida há cerca de 200 anos, pelo alemão Samuel Hahnemann, no combate à malária. Ela tem como objetivos, controlar e prevenir doenças nos animais sem período de carência.

A homeopatia é oferecida nos alimentos e age como medicamento sistêmico. Após 7 – 10 dias, o carrapato entra em um processo de desidratação, até ocorrer a mumificação. Algumas fêmeas ainda cairão no chão e farão a postagem dos ovos. Mas esses não irão se desenvolver.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s